Rádio Jornal da Orla/Digital Jazz

Ouça agora

Turismo/Turismo na Baixada | 15/08/2020

Santos deve se beneficiar com retomada do turismo

MARCO SANTANA - DA REDAÇÃO
Foto: PMS

Pandemia faz viajantes mudarem destinos; profissionais garantem que cidade fez ‘lição de casa’ .

Viagens canceladas; hotéis, bares e restaurantes fechados, bloqueios sanitários nas entradas das cidades; falta de dinheiro; medo de sair de casa. Um dos segmentos mais impactados pela pandemia, o turismo agora começa a esboçar uma reação, ainda que tímida. E Santos tende a se beneficiar nesta retomada, segundo profissionais do setor.

 

RETORNO GRADUAL
A pandemia atingiu em cheio o segmento turístico. Levantamento da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa) revela que 90% das viagens programadas para março foram canceladas ou adiadas, mas em junho já houve uma melhora: o índice foi de 63,5%. 


Levantamento da consultoria Cap Amazon feito junto a 400 profissionais do setor indica que 55% acreditam que a retomada acontecerá em setembro, principalmente no mercado doméstico. Entre os destinos preferidos, aqueles que “proporcionem bem-estar e contato com a natureza”.


Outro estudo aponta nesta direção: monitoramento feito pela SEMrush, empresa que analisa a busca com palavras-chave na internet, indica que Santos é a cidade litorânea mais buscada durante a pandemia; foram 1,64 milhão pesquisas mensais, mais que Fortaleza (519 mil), Porto Seguro (476 mil) e Rio de Janeiro (334 mil).

 

OPORTUNIDADE NA DIFICULDADE
É neste contexto que Santos e região podem se beneficiar. “A retomada já está acontecendo aos poucos, a gente já sente a busca de clientes remarcando ou ‘reitinerando’ (trocando o destino)”, atesta o presidente da Associação dos Profissionais de Turismo (APT) da Baixada Santista, Eduardo Silveira.


O secretário de Turismo de Santos, Odair Gonzalez, acredita que Santos será o grande destino turístico nesta próxima temporada, pois receberá turistas que estavam planejando ir para outros lugares. “A cidade será privilegiada por conta das restrições de viagens aéreas pelo Brasil e o aumento da cotação do dólar. Além disso, há países que não querem brasileiros”, argumenta. 

 

PREPARANDO A CIDADE
Segundo o secretário, o governo municipal vem preparando a cidade para a fase pós-pandemia. “Não podíamos parar ficar de braços cruzados, olhando. A prefeitura flexibilizou as atividades do comércio, com segurança, e preparou os equipamentos para receber bem o turista”, declara.


Na quinta-feira (13), atrações turísticas como a linha do bonde e o Museu Pelé voltaram a funcionar, “com restrições, mas com segurança”, garante Gonzalez. Por ser ao ar livre, o Orquidário já estava em funcionamento. Estão sendo definidos protocolos para que sejam reabertos o Aquário e o Jardim Botânico.



A praia de quem mora no interior
“No início da pandemia, tínhamos duas possibilidades: sentar e chorar ou vender lenço. Fizemos uma campanha grande no interior de São Paulo, do Paraná e de Minas Gerais. Resolvemos apostar no sentimento, com o slogan: “quando as coisas voltarem ao normal, lembre de colocar os pés nas nossas águas”. Tem surtido um bom resultado. Estamos conseguindo colocar Santos na cabeça do mineiro, do paulista e do paranaense, mostrando que Santos é a praia deles”, explica o presidente do Visite Santos (antigo Santos Bureau), Leonardo Carvalho.

 
Segundo ele, outra estratégia é estimular que os moradores da Baixada Santista visitem outras cidades da região. “Não terão custo de hospedagem mas terão um dia diferente”, resume.

 

LIÇÃO DE CASA
Eduardo Silveira explica que a APT aproveitou o período de inatividade para promover o aperfeiçoamento dos profissionais. “Vamos lançar um programa inédito, um pacote especial, formatado pelos profissionais da nossa região, incentivando ainda mais o turismo regional”, conclui.


Réveillon sem queima de fogos
O secretário de Turismo acredita que a festa de Ano Novo não terá a tradicional queima de fogos na praia. “Não houve definição ainda, mas com certeza não haverá aquele festejo que estamos acostumados. A prefeitura deve cancelar a queima de fogos e toda a programação que traga aglomeração, principalmente nas praias. Não será uma atitude muito simpática, mas, se for, será tomada priorizando a segurança das pessoas”, explica.


No entanto, ele acredita que isso não vai comprometer o sucesso da temporada. “Não temos dúvida nenhuma de que virá grande fluxo de pessoas, cerca de 2 milhões de dezembro a março. As visitas aos nossos equipamentos de turismo têm aumentado, na temporada passada foi de 15%. O Aquário continua sendo o segundo mais visitado do estado. O nível de satisfação com a segurança e a qualidade dos serviços oferecidos é elevadíssimo, é de mais de 95%. As pessoas que nos visitam querem voltar mais vezes e recomendam a cidade. Por isso eu vejo com muito otimismo”, finaliza.
 


Leia também